segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Vestibular Fidelis:


Cursos Livres - Finanças Pessoais - Faculdade Fidelis

Cursos Livres - Finanças Pessoais - Faculdade Fidelis

A igreja que eu quero ser...


A igreja que eu quero ser não tem hora de culto, o culto nem é uma cerimônia. 
A igreja que eu quero ser cultua em todo tempo porque cultua com a vida, vivendo.

A igreja que eu quero ser não é de parede e teto, ela é feita por mim e por você. 
É feita de gente, e gente imperfeita. 
Gente que erra, gente que falha, gente que tropeça. 
É feita de gente que ama e que ama ser amado.
Gente que sorri mas que também chora.
Gente que sofre com as mazelas do mundo.

A igreja que eu quero ser é uma igreja que se importa com a fome, com o sofrimento.
A igreja que eu quero ser sente a fome do faminto, sente a sede do sedento, sente o frio do desabrigado, sente a dor do doente.

A igreja que eu quero ser mostra o caminho da salvação, mas não tem os direitos da via nem cobra o pedágio da ponte.
A igreja que eu quero ser ilumina a estrada como um farol, para que todos possam passar pela ponte, e a ponte é Jesus.

A igreja que eu quero ser não tem nome, não tem placa nem mesmo uma sede.
Ela está em mim e está em você.
Quem a governa é Deus e o seu credo não está decorado.
A base dessa igreja é o amor, o amor não fingido.

Nessa igreja não tem banco, nem mesmo liturgia.
Nessa igreja você não precisa baixar a cabeça pra falar com Deus.
Ali você deve ficar de olhos bem abertos ao ouvir a voz de Deus, pois ele te manda olhar para o lado, te manda ver o teu irmão.
Nessa igreja pouco importa a duração do culto, pois o culto dura o tempo todo.
Importa mesmo é que você seja essa igreja.

Você não precisa de roupa certa para vir nessa igreja.
Não importa o que você tem pintado na sua pele, nem mesmo importa a sua pele.
Nessa igreja todos somos igreja.
Também não há cargos ou obrigações nessa igreja, você não é obrigado a nada.

Eu quero ser essa igreja, eu estou tentando...


fonte: https://www.facebook.com/ProfetaJumento

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O texto de Madonna no vídeo do #SecretProjectRevolution:

“Mercados econômicos estão entrando em colapso, pessoas ao redor do mundo estão sofrendo e pessoas estão com medo. E o que acontece quando as pessoas têm medo? Elas se tornam intolerantes. Elas começam a apontar o dedo para outras pessoas. Elas dizem “você é o motivo! você é o problema! A culpa é sua! Cai fora!”. O inimigo não está lá fora. O inimigo está dentro de nós.

Eu fiz a minha turnê este ano e parece que eu fui até o inferno e voltei. Eu vi muitas coisas das quais não gostei. Eu vi apatia, eu vi intolerância, eu vi desespero e pobreza. Eu vi discriminação e intolerância. E vi um tipo sinistro de nuvem negra chegando sobre mim, como uma cortina de desespero. Sim, eu vi a falta de desejo se espalhando como uma praga, pondo todos numa espécie de transe.



Então olhei nos olhos das pessoas e vi desamparo, desesperança. Vi humanos procurando por uma saída, uma nova e excitante distração. Uma desculpa para não fazer nada, um inimigo externo para culpar. Mas eu também vi pessoas desesperadas por uma entrada, buscando direção e inspiração, procurando por esperança e amor.

Eu falo a todos que eu quero começar uma revolução, mas ninguém me leva a sério. Se eu tivesse a pele escura e cabelo crespo, você me levaria a sério? Se eu fosse uma granada voando no ar, você me levaria a sério? Se eu usasse roupa camuflada e tivesse uma AK-47 nas minhas costas, você me levaria a sério? Mas ao invés disso eu sou uma mulher. Sou loira. Eu tenho peitos e bunda, e um desejo insaciável de ser notada. Eu ainda quero começar uma revolução. Alguém tem que começar.

Tem muita beleza no mundo sendo desperdiçada, muito talento que não é notado, muita criatividade sendo esmagada pelas rodas de grandes companhias que estão em alta. Mas é hora de acordar antes que seja tarde demais. A história está se repetindo. Você não vê o que está acontecendo? Vivemos em tempos assustadores. Ou eu deveria dizer que simplesmente não vivemos mais?

A democracia parece não mais existir. “Liberdade de expressão” parece uma frase pronta e, se você quiser ser um artista em nossos dias, você precisa ter braço forte, precisa estar preparado para nadar contra a correnteza e chocar águas infestadas. É melhor que você tenha a pele grossa porque quando os homens daqueles ditadores fascistas vierem atrás de você, com suas grandes botas de couro para te calar, para colocar uma mordaça em sua boca, para te mandar para um campo de concentração, você deve estar preparado para lutar por aquilo em que acredita.

Eu achava que tivesse a pele grossa. Mas agora Parece que eu nem tenho pele, como se a tivessem tirado comigo ainda viva. Eu não durmo mais. Eu perdi meu apetite. Não me sinto segura. Muitas pessoas não se sentem seguras. É por isso que quero começar uma revolução. Mas essa revolução não será televisionada, não estará na internet, não será um aplicativo disponível para seu iPhone. Você não terá como baixá-la.

Essa será a revolução do “pensar por si próprio”, do “ter sua própria opinião e não dar a mínima para que os outros dizem”. Essa será uma revolução sobre indagar mais, sobre não se preocupar em ganhar a aprovação de outras pessoas, sobre não desejar ser outra pessoa, mas estar perfeitamente contente com quem você é, alguém único, raro e destemido. Eu quero começar uma revolução de amor.

Essa revolução vai superar todo o medo, todo o sofrimento e toda a separação e incluirá todas as pessoas, negros, brancos, cristãos, chineses, muçulmanos, judeus, gays, heteros, bissexuais, gordos, incapacitados, ricos, pobres, artistas e autistas. Fodam-se os rótulos, eu odeio rótulos. Estamos juntos neste navio, navegando como um arpão incandescente neste mar.

Eu sinto que as pessoas estão cada vez mais amedrontadas por aqueles que são diferentes. As pessoas estão ficando cada vez mais intolerantes. Nós queremos lutar pelo direito de sermos livres. Este é um momento muito sério em que nós podemos fazer a diferença. Nós podemos mudar isso. Nós temos o poder. E nós não precisamos fazer isto com violência. Apenas temos que fazer isto com amor.

Jesus pregava isso, Maomé pregava isso, Buda pregava isso, Moisés pregava isso. Isso está no livro sagrado: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Vocês não podem usar religião para tratar mal as pessoas. Todos merecemos amor.

Eu me sinto nua e solitária. Tenho certeza que vocês podem se identificar com isso. Às vezes, tenho vontade de me bater. Às vezes, digo a mim mesma: “Por que não esperei? Por que ouvi todas aquelas vozes na minha cabeça? Por que não tive paciência? Por que deixei toda aquela dúvida entrar em minha cabeça, no meu sistema de crença? Por quê?”.

Eu sei o que estão pensando: se não aguenta o calor, então, cai fora da cozinha. Mas é tarde demais, eu estou na cozinha, e o fogão está no máximo. Eu quero iniciar uma revolução. Vocês estão comigo?

Este filme é dedicado a todos aqueles que foram perseguidos, estão sendo perseguidos, ou que podem ser perseguidos pela cor de sua pele, suas crenças religiosas, suas expressões artísticas, seu gênero ou suas preferências sexuais. Qualquer um cujos direitos humanos foram violados”.

A tradução é do Poser de Madonna.


https://www.facebook.com/photo.php?fbid=594320383940051&set=a.299267316778694.72074.289005524471540&type=1&relevant_count=1&ref=nf